Os inconformados de Akihabara 🇯🇵

  • 16.02.2024 17:25
  • Bruno A.

Apesar das imensas maravilhas da pacífica e organizada sociedade nipónica, o Japão esconde também em si um lado sombrio e repressivo. Se não te adaptas, não serves. O nosso editor ajuda a explorar as origens dessa mentalidade e – ainda melhor – a forma como a juventude a começa a desafiar.

Queres receber notificações acerca de novas ofertas?

Regista-te e decide a frequência de envio. Não vamos enviar spam!

“We are the nobodies, wanna be somebodies
We’re dead, we know just who we are”

The Nobodies, Marilyn Manson (2001)

Poucos países gozam de uma reputação melhor que a do Japão. Perguntem a uma pessoa aleatória quais os pensamentos/estereótipos que têm acerca do país, e o mais provável é que sejam atingidos por uma enxurrada de comentários positivos. Percebe-se. Do civismo colectivo à eficiência dos transportes públicos, passando pela limpeza imaculada e por uma cultura milenar, a sociedade japonesa simplesmente funciona. No entanto, nem tudo é um mar de rosas no “País do Sol Nascente”.

Para isso, é importante perceber o isolacionismo histórico do país. Afinal, o Japão é uma ilha situada num dos cantinhos com maior actividade sísmica e vulcânica do planeta. Em tempos antigos, com as barquetas e técnicas de navegação elementares, navegar com sucesso até à costa nipónica era difícil.

Para além disso, e mesmo que alguma força invasora conseguisse atracar no Japão com uma frota grande o suficiente para conquistar o país, teria ainda que encontrar forma de atravessar uma paisagem altamente montanhosa e muito pouco arável, condições espectaculares para a defesa da ilha. À conta disso, o Japão nunca foi conquistado. Nem as temíveis hordas mongóis de Gengis Khan, que conquistaram toda a Ásia Oriental e Central, conseguiram encontrar forma de o fazer. Curiosamente, as primeiras influências não-asiáticas chegaram pelas mãos dos portugueses, que aqui atracaram no século XVI e estabeleceram uma relação comercial com o Império. No entanto, quando essas influências começaram a ter grande tracção na sociedade japonesa, os Shoguns trataram de fechar o país a sete chaves e preservar o seu poder, seguindo-se 250 anos de isolacionismo que ficaram conhecidos como o período Edo. Nesse período, a sociedade era organizada por castas, sendo que os governantes e samurais eram tratados com a reverência reservada aos deuses. Mesmo depois de o Imperador Meiji reabrir o país, as guerras mundiais e a destruição a que o Japão foi sujeito contribuíram ainda mais para essa forte mentalidade de grupo. Era preciso reconstruir o país, e todos tinham que contribuir.

Agora que já terminámos a mini-lição de história, fica um bocadinho mais fácil perceber as peculiaridades da sociedade japonesa. No entanto, se a mentalidade de organização colectiva ajuda a manter a coesão da sociedade, outros pontos existem que podem tornar a vida no Japão extremamente difícil. O respeito indiscriminado pela hierarquia, a vida organizada em função do trabalho ou a indiferença pela singularidade, contribuem para uma mentalidade em que todos são, de uma forma ou outra, obrigados a enquadrar-se na realidade vigente. Adapta-te ou fica para trás – é o motto do Japão, um país que, apesar da industrialização e dos avanços tecnológicos, é bastante resistente à mudança. Talvez isso ajude a explicar as alarmantes taxas de suicídio.

Se isto faz com que um estrangeiro a viver no país nunca seja visto como igual entre a maioria dos Japoneses, quero com este texto focar-me nas gerações mais jovens. É que pela primeira vez na sua história milenar, o Japão está a assistir a uma mudança definitiva de paradigma. Lenta, é certo, mas constante. Ao contrário dos seus pais e avós, as novas gerações nipónicas querem coisas diferentes. Não querem viver para o trabalho, querem desfrutar do seu tempo. Querem uma sociedade de lazer. Querem vestir o que lhes apeteça, sem julgamentos. Querem trazer para as ruas as personalidades que só se revelariam dentro de 4 paredes. Querem poder ser eles próprios. Querem livrar-se das amarras do conformismo. Querem ser a força motriz da mudança numa sociedade que, apesar do crescimento económico, está social e historicamente estagnada. Em suma, querem livrar-se do eterno conflito nipónico entre o “honne” (os nossos verdadeiros pensamentos) e o “tatemae” (aquilo que transparecemos em sociedade para “parecer bem”).

Lembro-me disso quando passeio por Akihabara, considerado o berço da cultura geek e alternativa de Tóquio. Um mundo à parte do caos controlado do resto da metrópole, e um distrito onde as rédeas são um pouco mais soltas. Aqui, o Japão parece um pouco menos uniforme. Nas ruas, as roupas neutras dão lugar a verdadeiras explosões de cor. Um statement em forma de tecidos de renda, saltos altos, laçarotes e perucas coloridas. Dentro dos edifícios, que se transformam em autênticas galerias comerciais de vários pisos, os jovens juntam-se sem pudores e aproveitam o tempo livre para jogar nas barulhentas e aparentemente indecifráveis máquinas de pachinko, comprar collectibles de anime ou tomar uma bebida num dos estranhíssimos (em aspecto visual e conceito) maid cafes. Uma lição de escapismo face à castigadora e opressiva mentalidade da maioria japonesa, e um microcosmo de uma geração imparável que choca de frente com o silêncio e as virtudes das “boas maneiras”.

Silêncio e barulho. Escuridão e luz. Feio e bonito. Comodismo e irreverência. Dr. Jekyll e Mr. Hyde. Tudo como uma grande cidade deve ter. Tóquio talvez seja a maior de todas, e conta agora com um exército cada vez maior de inconformados. Numa esquina perto de si, em Akihabara.

Outras crónicas de viagem do nosso Editor:

Seguro de Viagem

Para contratar o teu seguro de viagem recomendamos a Heymondo, que tem aquela que é, para nós, a melhor gama de seguros da atualidade, com uma relação qualidade-preço imbatível, e que inclui também cobertura para os teus equipamentos eletrónicos.

Se reservares connosco, através deste link, tens 5% de desconto no teu seguro e, ao mesmo tempo, dás-nos uma ajuda preciosa 🙂

Consulta do Viajante

Aconselhamos a marcar a tua consulta na Consulta do Viajante Online. Insere o código flamingo para teres 5% de desconto em consultas para 2 ou mais pessoas.

Tours & Atividades

Reserva já os teus tours ou atividades no Viator, do grupo Tripadvisor! E ao fazê-lo estás-nos a dar uma grande ajuda 🙂

Queres receber notificações acerca de novas ofertas?

Regista-te e decide a frequência de envio. Não vamos enviar spam!

Sugestões de viagem