Guia de viagem de Londres, Inglaterra + roteiro de 3 dias na capital britânica 🇬🇧

  • 05.11.2022 14:27
  • Bruno A.

Um guia de viagem completo para que possas preparar a tua escapadinha a Londres. Inclui um roteiro de 3 dias, dicas sobre o que ver/fazer em Londres, sugestões de hotéis onde ficar, restaurantes onde comer e informação sobre os transportes públicos.

Queres receber notificações acerca de novas ofertas?

Regista-te e decide a frequência de envio. Não vamos enviar spam!

Outrora a capital do “Império no qual o sol nunca se põe”, Londres é um autêntico caldeirão de culturas. Aqui, tudo aquilo que possas imaginar é remotamente possível. Podes conhecer pessoas de todos os quatro cantos do globo, provar iguarias de todo o mundo e imiscuir-te – ainda que por breves dias – na realidade cosmopolita daquela que é a cidade mais multicultural de todo o continente europeu.

Mais do que puramente britânica (ou inglesa), Londres é essencialmente internacional. Uma metrópole gigante onde uma vida inteira não seria suficiente para poderes usufruir de tudo aquilo que tem para oferecer. Assim, e sem surpresas, Londres habita o imaginário de milhões de pessoas, atraindo um número aparentemente interminável de turistas todos os anos. Se és mais uma das muitas pessoas prestes a embarcar rumo à capital inglesa, então este artigo é mesmo para ti!

Fica connosco e descobre o nosso guia de viagem de Londres, incluindo um itinerário de 3 dias, com todos os detalhes sobre aquilo que podes esperar de um dos grandes destinos turísticos do mundo.

Guia de viagem de Londres

Como chegar a Londres

Com um registo esmagador de mais de 21 milhões de turistas na era pré-covid, Londres é servida por 4 aeroportos: Heathrow, Gatwick, Luton e Stansted.

A partir de Portugal, poderás voar para Londres de Lisboa (British Airways, TAP, Easyjet, Wizz Air e Ryanair), Porto (as mesmas), Faro (British Airways, Easyjet, Wizz Air e Ryanair), Funchal (British Airways, Easyjet, Wizz Air, Jet2 e Ryanair), Terceira (sazonal, com a Ryanair) e Ponta Delgada (sazonais com a Ryanair e British Airways).

Melhor altura para visitar Londres

Embora o Reino Unido seja alvo do estereótipo de que está constantemente a chover, a verdade é que a realidade não é assim tão trágica quanto a pintam. Sim, o país é chuvoso, mas isso não significa que esteja escrito nas estrelas que terás que andar sempre com o guarda-chuva atrás.

Tal como em praticamente todos os restantes destinos europeus, a melhor altura para visitar Londres engloba todo o período entre Maio e Outubro, quando a probabilidade de apanhares bom tempo é maior. No entanto, esta é também a altura em que os preços tendem a ser mais altos (especialmente nos meses de Verão), para além das épocas festivas.

Assim, se não te importares de arriscar, os meses de Abril, Maio, Outubro e Novembro (a chamada “shoulder season”) costumam trazer o melhor equilíbrio entre meteorologia e orçamento, perfeitos para uma escapadinha de 3 dias em Londres.

passaporte

Documentos necessários para a tua viagem a Londres

Brexit a quanto obrigas…

Se anteriormente, enquanto país membro da UE, era suficiente apresentar o cartão de cidadão para poderes entrar no Reino Unido, a realidade é que a saída britânica veio trazer uma alteração importante a esse regime.

Agora, é obrigatório passaporte para que a tua entrada no país seja admitida, à semelhança do que acontece na esmagadora maioria dos países não enquadrados no Espaço Schengen.

Descobre mais: Vais viajar e tens o Passaporte ou Cartão de Cidadão caducado ou perdido? Vê aqui o que podes fazer

Roaming na viagem para Londres

O Reino Unido continua a não cobrar pelo Roaming às operadoras portuguesas (Vodafone, por exemplo), mas não está vinculado pelas regras da UE, podendo mudar a qualquer momento (aconselhamos-te a verificar se esta situação se mantém quando estiveres a preparar a tua viagem). Tudo que precisas de saber acerca de Roaming, Dados Móveis e Cartões SIMSe esta situação não se alterar entretanto, poderás simplesmente utilizar o teu cartão (quase) como se estivesses em Portugal (os dados das apps que as operadoras portuguesas contam num plafond separado, passam a contar para o teu plafond principal de dados. Isto significa que se tiveres 5GB de dados + 15GB para apps, enquanto estiveres Reino Unido esses dados vão ser retirados aos 5GB e não aos 15GB)

Como levantar dinheiro durante uma viagem a Londres – Taxas bancárias e moeda local

Nenhum guia de viagem de Londres está completo sem que este tema seja abordado.

Tendo como moeda oficial a Libra Estrelina (£), qualquer levantamento que faças em Londres recorrendo a um cartão português, recorrerá naturalmente ao pagamento de várias taxas. Para além da taxa percentual sobre o valor do levantamento (relativa à conversão), a tua transacção estará também sujeita ao pagamento de um valor fixo, referente à taxa por levantamento de divisa fora da UE. Contas feitas, podes acabar a pagar ao teu banco bem acima de 6% do valor do teu levantamento.

Uma vez que efectuar o câmbio antes da viagem está também longe de ser económico – para além de não ser propriamente seguro andares com uma quantia tão grande em dinheiro vivo – a melhor alternativa passa por recorreres aos serviços de bancos online como o Revolut ou o N26.

No caso do primeiro, permite-te efectuar levantamentos até um determinado limite mensal sem que te seja cobrada qualquer taxa. Para além disso, mesmo depois de atingido esse patamar, as comissões são residuais quando comparadas às dos bancos tradicionais. Poderás fazer já o pedido do teu cartão Revolut através deste link.

Descobre mais: Dicas para viajantes: Tudo que precisas de saber sobre o Cartão Revolut

Guia de viagem de Londres – esquemas e burlas mais comuns

Apesar do seu tamanho e popularidade, Londres é uma cidade muito segura. Aliás, se a compararmos com outras grandes cidades turísticas europeias, como Paris ou Roma, as burlas e esquemas são surpreendentemente raros. Ainda assim, é sempre bom estar atento a potenciais golpadas.

Um dos esquemas mais comuns poderá ser encontrado na zona de West End, conhecida pelos seus teatros musicais que lhe deram a fama de “Broadway Londrina”. Uma vez que estes espectáculos são muito procurados por turistas, é comum encontrares algumas pessoas a tentar vender bilhetes falsos, especialmente junto da Leicester Square ou à porta dos recintos.

Também em Londres, será relativamente normal encontrares pequenas bancas improvisadas onde algumas pessoas estarão a tentar recolher assinaturas e dinheiro por alguma “boa causa”. Infelizmente, muitas destas acções são na realidade esquemas pertencentes a alguma forma de crime organizado. Antes de doares o que quer que seja, tenta fazer uma pesquisa rápida na internet sobre o nome da organização para verificar a sua legitimidade. Se chegares à conclusão de que se trata de alguma acção ilegítima, simplesmente ignora e segue em frente.

Para além destes, todas a burlas restantes são praticamente as mesmas que poderás encontrar em casa ou nalguma outra cidade, como carteiristas ou contrabandistas, especialmente nos mercados e nas zonas movimentadas. Procura não dar particularmente nas vistas, mostrar grandes quantidades de dinheiro e proteger sempre os teus bens em locais que não sejam de fácil acesso.

A lei de ouro é sempre a mesma: se é algo que não farias no Porto, em Lisboa ou em alguma outra cidade portuguesa, então não o faças também em Londres.

Onde dormir em Londres – Hotéis e Alojamentos

Infelizmente, e indo directamente ao tema, o alojamento na capital inglesa é tendencialmente caro… muito caro, sendo provavelmente a maior despesa com a qual te irás deparar durante o teu roteiro de 3 dias em Londres!

Fruto da falta de espaço e de uma economia alicerçada num custo de vida altíssimo, escolher um local onde ficar em Londres normalmente obriga a que escolhas sejam feitas, nomeadamente quanto à gestão do orçamento ou à distância a que irás ficar do centro da cidade.

Estes são os preços médios por noite registados para estadias em quarto duplo no centro de Londres:

  • Hotéis de 1* e 2* – 93€/noite
  • Hotéis de 3* – 116€/noite
  • Hotéis de 4* – 233€/noite
  • Hotéis de 5* – 408€/noite

Agora, deixamos abaixo uma sugestão para cada categoria, com um preço por noite abaixo da média (tendo por base uma estadia de 1 noite em Fevereiro de 2023)

Onde comer em Londres – Restaurantes para todos os bolsos

Tal como referimos bem lá no início do nosso guia de Londres, nesta cidade é possível provar a gastronomia de qualquer país do mundo! No entanto, e com o aumento exponencial do custo de vida, torna-se cada vez mais difícil conseguir encontrar restaurantes onde se possa comer bem e barato.

Se o orçamento não é um problema, então Londres é um autêntico parque de diversões para os foodies, com alguns dos melhores e mais inovadores restaurantes do mundo estabelecidos em plena capital britânica. Deixamos-te uma minúscula selecção com alguns desses lugares:

No entanto, e assumindo que nenhum de nós tem “Gates” ou “Musk” como último nome, é sempre útil ter uma compilação alternativa de locais com preços melhor adaptados às carteiras dos comuns mortais. Nos locais abaixo, é possível fazer uma refeição (só prato ou prato + bebida) por um valor máximo de 15€/pax:

  • Punjab (indiano – Covent Garden, junto ao Shaftesbury Theatre)
  • Alladin Kebabish (paquistanês – Brent Cross, junto ao Reservatório de Brent)
  • Da Maria (italiano – Kensington, junto à estação de metro Notting Hill Gate)
  • Bancone (italiano – Covent Garden, perto da Leicester Square)
  • Dumplings’ Legend (chinês – Chinatown de Londres)
  • Kokeb (etíope – Market Estate, junto à estação de metro Caledonian Road)
  • Ma Petite Jamaica (caribenho – Camden Town)
  • Yalla Yalla (libanês – Soho, na West End)
  • Kintan (japonês – Regent Street, junto à estação de metro Oxford Circus)
  • Addie’s Thai (tailandês – Earl’s Court, a 10 minutos do Holland Park)
  • Banh Banh (vietnamita – Peckham, junto ao Rye Park & Common)
  • Phat Phuc Noodle Bar (noodles/vietnamita – Chelsea, a 1km do Museu de História Natural)
  • BiBimBap (coreano – Soho, na West End)
  • Homeslice (pizza à fatia – Covent Garden, junto ao Shaftesbury Theatre)
  • Pizza Union (pizza à fatia – Holborn, junto ao British Museum)

Ainda assim, e se és daqueles que viaja com o objectivo de conhecer os sabores locais (ou o que quer que isso seja em Londres), não podíamos deixar o nosso guia de viagem de Londres sem algumas opções típicas que tocam ao mais britânico dos corações:

Para terminar, deixamos também menção a apenas dois dos muitos mercados de Londres, mas que bem merecem uma visita quando a barriga começa a dar horas:

Guia de Londres – Transporte entre os aeroportos e o centro da cidade

Como ir do Aeroporto de Heathrow ao centro de Londres:

  • Comboio Heathrow Express
    • Duração: 15 a 20 minutos, dependendo do terminal.
    • Preço: De 5,50£ a 25£, dependendo das datas e da antecedência da compra. Se comprado com pelo menos 90 dias de antecedência, é aplicado o limite mais baixo mencionado.
    • Destino: Estação Paddington.
    • Compra de bilhetes: Heathrow Express
  • Metro
    • Duração: 50 a 60 minutos.
    • Preço: 5,50£ ou 6,30£, consoante o pagamento seja feito em dinheiro ou com um cartão contactless (mais informação na secção seguinte).
    • Destino: Qualquer estação na zona 1 do metro de Londres (centro).
  • Autocarro
    • Duração: 40 minutos a 2 horas, consoante condições de trânsito.
    • Preço: 6£ a 10£.
    • Destino: Estação Victoria
    • Compra de bilhetes: National Express
  • Transfer Privado
    • Duração: 40 minutos a 2 horas, consoante condições de trânsito.
    • Preço: a partir de 37€.
    • Destino: Transporte directo até ao local de alojamento.
    • Compra de bilhetes: Viator

Como ir do Aeroporto de Gatwick ao centro de Londres:

  • Comboio Gatwick Express
    • Duração: 30 minutos.
    • Preço: 18,50£.
    • Destino: Estação Victoria
    • Compra de bilhetes: Gatwick Express
  • Comboios Southern Trains e Thameslink & Great Northern
    • Duração: 30 a 45 minutos.
    • Preço: 12,80£
    • Destino: Estações Victoria, London Bridge, London Blackfriars, Farringdon ou St Pancras International
    • Compra de bilhetes: Southern Lines ou Thameslink
  • Autocarro
    • Duração: 2h a 2h30, consoante condições de trânsito.
    • Preço: 7£ a 10£.
    • Destino: Estação Victoria
    • Compra de bilhetes: National Express
  • Transfer Privado
    • Duração: 2h a 2h30, consoante condições de trânsito.
    • Preço: a partir de 37€.
    • Destino: Transporte directo até ao local de alojamento.
    • Compra de bilhetes: Viator

Como ir do Aeroporto de Luton ao centro de Londres:

  • Comboios Thameslink & Great Northern
    • Duração: 50 minutos a 1h.
    • Preço: 14,40£ a 19,10£.
    • Destino: London Bridge, London Blackfriars, Farringdon ou St Pancras International
    • Compra de bilhetes: Thameslink
  • Autocarro
    • Duração: 2h a 2h30, consoante condições de trânsito.
    • Preço: 10£ a 12£.
    • Destino: Estação Victoria
    • Compra de bilhetes: Terravision
  • Transfer Privado
    • Duração: 1h30 a 2h00, consoante condições de trânsito.
    • Preço: a partir de 40€.
    • Destino: Transporte directo até ao local de alojamento.
    • Compra de bilhetes: Viator

Como ir do Aeroporto de Stansted ao centro de Londres:

  • Comboios Stansted Express
    • Duração: Cerca de 1h.
    • Preço: 14£ a 20,70£, dependendo da antecedência da compra.
    • Destino: London Liverpool Street
    • Compra de bilhetes: Stansted Express
  • Autocarro
    • Duração: 1h45 a 2h, consoante condições de trânsito.
    • Preço: 14£ a 16£.
    • Destino: Estação Victoria
    • Compra de bilhetes: Terravision
  • Transfer Privado
    • Duração: 1h45 a 2h00, consoante condições de trânsito.
    • Preço: a partir de 40€.
    • Destino: Transporte directo até ao local de alojamento.
    • Compra de bilhetes: Viator

Transportes públicos de Londres – Metro e Autocarros

Embora Londres tenha um dos melhores e maiores sistemas integrados de transportes públicos do mundo, a esmagadora maioria dos turistas irá precisar apenas de utilizar o metro. Contudo, e porque os famosos autocarros double-decker vermelhos são quase um símbolo da cidade, vamos também abordá-los de forma breve.

Metro de Londres

Composto por 11 linhas divididas entre 9 zonas, o metro de Londres é extremamente organizado, sendo (de longe) o mais fiável de todos os transportes públicos da cidade. Embora o sistema possa parecer complexo, é na realidade bastante fácil de navegar, sendo apenas necessário ter alguns factores em consideração. Por sorte, o nosso guia de viagem de Londres irá mostrar-te tudo o que precisas de saber:

1. Cartão contactless vs Bilhetes individuais

Se te estás a preparar para uma estadia de 3 dias em Londres, então a probabilidade de teres que utilizar o metro de forma recorrente é extremamente elevada.

Assim, recomendamos que utilizes um cartão contactless, como por exemplo o teu cartão bancário, como título de viagem (usa o Revolut, de forma a evitares que te sejam cobradas taxas de câmbio). No fundo, sempre que andares de metro e tocares com o teu cartão de crédito/débito contactless num dos leitores do sistema, a tarifa será cobrada directamente no final de cada viagem. Em alternativa, poderás também utilizar o teu telemóvel como título de viagem, se estiveres munido de uma aplicação de pagamentos móveis, como a Google Play ou a Apple Play.

Qualquer viagem descontada de um cartão contactless ou aplicação é mais barata do que um bilhete individual em papel. Enquanto que os últimos têm um valor fixo de 6,30£ por travessia (independentemente da rota ou da hora), as viagens compradas com o cartão são substancialmente mais baratas.

Se estiveres a viver debaixo de uma rocha e não tiveres nenhuma das opções abaixo, podes sempre comprar um Oyster Card. Semelhante ao Andante do Porto, ou ao Navegante de Lisboa, o Oyster Card é um cartão recarregável que serve como título de viagem nos transportes públicos Londrinos.

Estes cartões podem ser comprados nas máquinas automáticas de qualquer estação de metro e têm um custo unitário de 7£ (que não entra para o saldo). Podes depois carregar o cartão que comprares com qualquer quantia que te pareça razoável e a partir daí começar a utilizá-lo imediatamente. Os leitores irão registar a hora e a zona da tua estação de embarque e a tarifa final será cobrada do teu cartão quando o passares no leitor da tua estação de destino

2. Horas de Ponta (Peak hours)

No metro de Londres, as tarifas serão diferentes consoante a hora a que utilizares o transporte público, sendo naturalmente mais altas durante as horas de ponta (peak hours), do que fora das mesmas (off peak hours).

As horas de ponta vigoram de 2ª a 6ª feira, entre as 6h30 e as 9h30 durante a manhã, e pela tarde entre as 16h00 e as 19h00. Tudo o que não se enquadre nestes horários (incluindo fins-de-semana e feriados) é taxado a um custo mais baixo.

3. Zonas e Preços

Embora o metro esteja organizado em 9 zonas, praticamente todos os turistas irão concentrar as suas viagens entre a Zona 1 e a Zona 2, correspondentes às zonas mais centrais de Londres. A única excepção diz respeito aos visitantes que aterram no Aeroporto de Heathrow, situado na Zona 6, e servido pelo metro.

Como tal, partilhamos no nosso guia de viagem de Londres os preços das deslocações entre as várias zonas, considerando horas de ponta e horas off peak:

  • Zona 1
    • Hora de ponta: 2,50£
    • Hora Off Peak: 2,50£
  • Zona 1-2
    • Hora de ponta: 3,20£
    • Hora Off Peak: 2,60£
  • Zona 1-3
    • Hora de ponta: 3,60£
    • Hora Off Peak: 2,90£
  • Zona 1-4
    • Hora de ponta: 4,30£
    • Hora Off Peak: 3,20£
  • Zona 1-5
    • Hora de ponta: 5,00£
    • Hora Off Peak: 3,40£
  • Zona 1-6
    • Hora de ponta: 5,50£
    • Hora Off Peak: 3,50£

4. Limites diários e semanais (pay as you go caps)

Tecnicamente, e isto é bastante útil se planeares utilizar o metro de forma recorrente, o metro de Londres cobra-te apenas 3 viagens diárias dentro da mesma zona se utilizares um cartão contactless (ou aplicação de pagamentos móveis). Isto significa que, depois da tua terceira viagem diária, as seguintes não te serão cobradas.

O sistema chama a isto o Pay as You Go Cap (“limite diário”, numa tradução muito simplificada). Assim, por exemplo, se fizeres 5 viagens ao longo de um dia dentro das zonas 1 e 2, o valor máximo que será cobrado no teu cartão contactless será de 7,70£, referente sensivelmente ao preço de 3 viagens individuais fora da hora de ponta (2,60£ cada). No caso das zonas 1 e 2, provavelmente as únicas que te serão relevantes, não existe diferença no limite diário se viajares durante a hora de ponta.

A mesma lógica aplica-se a períodos semanais. Neste caso, quando os utilizadores das Zonas 1 e 2 chegam às £37, durante essa semana não lhes será cobrado mais.

Autocarros vermelhos de Londres

No caso dos autocarros, a realidade é que praticamente não sentirás a necessidade de utilizá-los, tal é a extensão da rede de metro. Ainda assim, e porque andar num double-decker é um “must” para muitos visitantes, ficas desde já a saber que o sistema de autocarros de Londres funciona puramente com cartões de viagem. Isto significa que podes utilizar o teu cartão contactless, mas não podes fazer nenhum pagamento em dinheiro vivo.

Em relação aos preços, casa viagem de autocarro tem o mesmo custo, independentemente do número de zonas percorridas – 1,65£. Quanto ao limite diário (pay as you go cap) neste meio de transporte, fixa-se nos 4,95£.

Se quiseres apenas fazer uma única viagem de autocarro só para poderes riscar a experiência da tua lista, o nosso guia de viagem de Londres recomenda que apanhes o nº 9, cuja rota passa por alguns dos museus e pontos mais atractivos da cidade. Podes consultar o mapa dos principais autocarros da zona central de Londres aqui.

Guia de Viagem de Londres – Tesouros Escondidos da cidade

Antes de avançarmos com o roteiro propriamente dito, queríamos deixar-te com alguns segredos de Londres. Afinal, todos conhecem o Big Ben, a Abadia de Westminster ou o Palácio de Buckingham, e ainda que estas sejam de facto paragens obrigatórias, a verdade é que existe muito mais em Londres do que os “clássicos” ou os sobrevalorizados (cough, cough, Madame Tussauds).

Infelizmente, não foi possível incluir todos estes sítios no nosso itinerário de 3 dias em Londres, mas iremos à mesma listá-los abaixo, para que te agucem a curiosidade e os possas adicionar ao teu roteiro personalizado:

  • Churchill War Rooms
  • Museu de Sherlock Holmes
  • Palácio de Hampton Court
  • Little Venice
  • Museu do Jack the Ripper
  • Jardim de Kyoto no Holland Park
  • The Royal Exchange
  • Igreja de Saint Dunstan-in-the-East
  • Mercado de Leadenhall
  • Estações de Metro desactivadas (através das London Hidden Tours do Museu dos Transportes de Londres)

Roteiro de 3 dias em Londres – Um itinerário completo

Antes de tudo o resto, convém esclarecer que 3 dias é um período insuficiente para conseguires sequer ver o essencial de Londres. Afinal, esta é uma das grandes metrópoles do mundo, e o que não falta são museus para visitar, marcos históricos para ver e bairros para explorar.

Ainda assim, e para que possas ter pelo menos um gostinho do que de melhor a cidade tem para oferecer, tentámos compilar no nosso guia de Londres um itinerário que cubra pelo menos os básicos da capital britânica. 

Guia de viagem de Londres: Dia 1 – Do Hyde Park às margens do Tamisa

Para o teu primeiro dos teus 3 dias em Londres, recomendamos que vás com calma. Londres é uma cidade incrível, mas consegue também ser bastante frenética. Como tal, e enquanto te ambientas à agitação constante, começa com um passeio pelo Hyde Park, um dos parques mais famosos do mundo. Depois de caminhares junto ao lago (the Serpentine) e tentares de forma infrutífera fotografar as dezenas de esquilos que se vão cruzar no teu caminho, faz um desvio pelo parque até aos Kensington Gardens, onde para além das estátuas e dos memoriais, encontrarás também o Palácio de Kensington (£20), local de nascimento da icónica Rainha Victoria e residência oficial londrina do Príncipe William e da sua família. Se ainda não tiveres esgotado as energias do teu passeio matinal, recomendamos que prossigas até ao Holland Park, onde poderás encontrar o fabuloso Kyoto Garden, um jardim japonês oferecido pela cidade nipónica que lhe emprestou o nome.

Depois de saíres do parque, e de um desvio rápido no Royal Albert Hall, chegou a altura de visitares o teu primeiro museu. Embora Londres seja uma cidade bastante cara, a verdade é que alguns dos seus melhores e mais famosos museus são gratuitos. Não só para cidadãos britânicos ou estudantes, mas para todos os visitantes! Assim, poderás poupar algum dinheiro e passar umas horas no Museu de História Natural, uma instituição absolutamente gigantesca, composta por 5 colecções distintas e das quais fazem parte mais de 80 milhões de artefactos/amostras… alguns deles recolhidos pelo próprio Charles Darwin!

Depois de visitado o museu, prossegue pela Exhibition Road e atravessa o quarteirão de Knightsbridge, onde poderás encontrar a Harrods, umas das maiores e mais antigas lojas departamentais do mundo… uma espécie de centro comercial da Era Victoriana! Quanto à tua próxima paragem, dispensa qualquer tipo de apresentação. Epicentro de praticamente todas as ocasiões importantes na Família Real Britânica, o Palácio de Buckingham faz parte do imaginário de muitos de nós. Infelizmente, é apenas possível fazer um tour aberto entre os meses de Julho e Outubro (£30), mas pelo menos a foto da praxe em frente aos portões do icónico palácio já ninguém te tira! Pelo contrário, podes fazer uma visita até aos Churchill War Rooms (£26,35), um museu situado num complexo subterrâneo que serviu de centro de comando britânico durante a Segunda Guerra Mundial, e o local onde algumas das decisões mais importantes do conflito tomaram lugar.

Segue-se uma volta rápida pelo Parque de St. James, antes de terminarmos o dia nos principais símbolos da cidade. Para além de uma visita à emblemática Abadia de Westminster (£27 – mas gratuito se visitares durante a hora da missa), o local onde são coroados os monarcas britânicos, vais também passar pelo Palácio de Westminster, o gigantesco edifício situado nas margens do Tamisa, famoso por albergar o Parlamento Britânico e por conter a torre de relógio mais famosa do mundo inteiro: o renovado Big Ben.

Para terminar o dia em beleza, é só atravessar o rio e desfrutar de algumas das melhores vistas sobre a cidade de Londres a bordo de uma das cápsulas do célebre London Eye. Tendo em conta a concorrência deste último, recomendamos que assegures o teu bilhete com antecedência, não só para garantires o teu lugar, como também para poupares 10% do valor da admissão (£32,50 com desconto aplicado). Por fim, e se ainda restar tempo e energia, podes dirigir-te ao cais de Westminster e fazer um pequeno cruzeiro pelo Tamisa.

Resumo do 1º dia:

  • Hyde Park
  • Kensington Gardens
  • Palácio de Kensington
  • Jardim de Kyoto (no Holland Park)
  • Royal Albert Hall
  • Museu de História Natural
  • Harrods
  • Palácio de Buckingham
  • Churchill War Rooms
  • St. James’ Park
  • Abadia de Westminster
  • Palácio de Westminster (Big Ben)
  • London Eye

Guia de viagem de Londres: Dia 2 – West End, o coração pulsante de Londres

Apesar da esmagadora maioria do teu segundo dia ser dedicada à área de West End, em pleno centro de Londres, a nossa recomendação é de que comeces bem mais a norte, na zona de Camden. Afinal, é nesta região que fica o famoso Camden Market, um dos sítios mais visitados da cidade. Embora o mercado esteja aberto todos os dias, o ideal será que a tua visita coincida com o fim-de-semana, para que possas ver Camden em todo o seu esplendor.

Depois de visitado o mercado, hora de regressar a sul e parar no conceituado British Museum. Numa cidade que se orgulha de ter alguns dos melhores museus do mundo, este será provavelmente o que merece maior destaque. Com uma exibição enorme dividida por vários pavilhões, é um museu tão grandioso quanto polémico, uma vez que grande parte da colecção é formada por artigos roubados durante o tempo em que a Grã-Bretanha colonizou meio mundo. Seja como for, e apesar do nome, é um museu onde vais encontrar um pedacinho da história do planeta inteiro. À semelhança do de História Natural, também o British Museum é gratuito.

Saídos do museu, é agora sim altura de explorar a zona de West End e os seus quarteirões! Mais do que saltar de marco em marco, esta zona de Londres é perfeita para deambular sem rumo, descobrindo as suas ruas clássicas e pracetas antigas. Começa por dar uma volta pelas ruas Oxford e Regent – duas das avenidas comerciais mais importantes e exclusivas de Londres – e eventualmente o teu passeio irá desaguar na famosa junção de Piccadilly Circus, com os seus painéis publicitários e electrónicos a fazerem lembrar a Times Square de Nova Iorque. De seguida, faz um desvio até à grandiosa Leicester Square (onde podes encontrar a famosa loja dos M&M’s) e explora a Chinatown de Londres, a maior da Europa e um dos melhores sítios para comer na capital inglesa.

Para terminar o dia, desce até à Praça Trafalgar, onde podes apreciar o frenesim monumental de Londres em toda a sua força, antes de acabares a jantar no Covent Garden, uma espécie de mercadinho da moda com montes de restaurantes, lojas e eventos culturais.

Resumo do 2º dia:

  • Camden Market
  • British Museum
  • West End
    • Oxford Street
    • Regent Street
    • Piccadilly Circus
    • Leicester Square
    • Chinatown de Londres
    • Trafalgar Square
    • Covent Garden

Guia de viagem de Londres: Dia 3 – Das torres de pedra às torres de vidro

Eis que chega ao fim o teu roteiro de 3 dias em Londres! Mas antes, é altura de conhecer uma nova face desta metrópole.

Arriscamos dizer que não há nenhuma outra cidade onde o antigo e o moderno se cruzem com tanta frequência. Apesar de ser uma cidade antiga e ilustre, os acidentes, incêndios e até bombardeamentos (como o blitzkrieg na Segunda Guerra Mundial) obrigaram a que Londres fosse obrigada a reinventar-se ao longos dos séculos. Neste dia, vais testemunhar o que de mais antigo e vanguardista a cidade tem para oferecer.

No entanto, e antes de passarmos à arquitectura, há que aconchegar o estômago. Começa a manhã no Borough Market, um dos mercados mais históricos de Londres e o mais apreciado entre os melhores garfos que frequentam a cidade. Tomado o pequeno-almoço, é altura de subires ao topo do The Shard (£28), um edifício moderno, em forma de estilhaço de vidro, que mantém o título de maior do Reino Unido. Do topo, vais poder ver praticamente Londres inteira! Chegado às margens do rio, irás deparar-te com a Tower Bridge, a mais histórica das 13 pontes que atravessam o Tamisa no centro de Londres.

Depois de a atravessares, irás conhecer a Torre de Londres (£29,90), um castelo muralhado que costumava servir de fortaleza e residência real em tempos medievais, e que está hoje inscrito como Património da Humanidade pela UNESCO. Segue-se uma passagem pelo Jardim da Igreja de St Dunstan in the East, um espaço verde extremamente pitoresco desenhado dentro das ruínas de uma velha igreja, antes da necessária paragem de almoço do Mercado de Leadenhall. Depois de reabasteceres, e porque o tempo voa, faz uma visita rápida à Royal Exchange, um edifício clássico a partir do qual costumava operava a Bolsa de Valores de Londres. Mais a ocidente, a enormíssima Catedral de São Paulo é paragem obrigatória (£18,90). Apesar da entrada ser paga, e à semelhança da Abadia de Westminster, é possível visitar a catedral gratuitamente se frequentares qualquer dos serviços de missa.

Finalmente, volta ao século XXI atravessando a modernista Ponte Millennium, antes de acabares no Shakespeare Globe (£17), um local que simboliza na perfeição o que este dia representa. Construído nos tempos modernos para personificar um teatro antigo do tempo do famoso escritor, é a demonstração perfeita de como o novo e o antigo caminham de mãos dadas em Londres.

Resumo do 3º dia:

  • Borough Market
  • The Shard
  • Tower Bridge
  • Torre de Londres
  • Jardim da Igreja de St Dunstan in the East
  • Mercado de Leadenhall
  • Royal Exchange
  • Catedral de São Paulo
  • Ponte Millennium
  • Shakespeare Globe

Estadias superiores a 3 dias em Londres? Então podes considerar alguma das seguintes day trips:

Esperamos que o nosso guia de viagem de Londres te tenha sido útil (ou venha a ser). Como podes ver, a realidade é que esta é uma cidade onde seguramente não terás dificuldade a encontrar como ocupar o teu tempo. Com algumas das atrações e marcos turísticos mais famosos do planeta, Londres continuará a ser durante muitas e longas gerações um dos maiores destinos turísticos do mundo.

Tours & Atividades

Reserva já os teus tours ou atividades no Viator, do grupo Tripadvisor! E ao fazê-lo estás-nos a dar uma grande ajuda 🙂

Seguro de Viagem

Para contratar o teu seguro de viagem, aconselhamos a IATI, com uma excelente gama de seguros, incluíndo aquela que é, provavelmente, a melhor cobertura Covid-19 do mercado. 

Se reservares connosco, através deste link, tens 5% de desconto no teu seguro e, ao mesmo tempo, dás-nos uma ajuda preciosa 🙂

Queres receber notificações acerca de novas ofertas?

Regista-te e decide a frequência de envio. Não vamos enviar spam!

Sugestões de viagem